sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Crescer (retirado de um blog)

"Crescer custa, demora, esfola, mas compensa. É uma vitória secreta, sem testemunhas. O adversário somos nós mesmos."
Martha Medeiros 

- O meu coração e a minha alma são infinitos...e cada dia sinto que crescem um pouquinho mais... - Mikashi :)

domingo, 25 de setembro de 2011

perguntas....


a minha alma inquieta desperta no meio de uma multiplicidade de perguntas que cercam os meus pensamentos...porquê é por vezes a pergunta que ecoa nos labirintos e recantos do meu Eu...

fujo a essas perguntas, interrogações mas elas acordam-me no meio dos meus sonhos...sorrindo para mim, com ar malicioso...

descansa alma minha...deixa-te de interrogar tanto e flui com o som da maresia...

Mikashi

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

I love me....


 - roubado do mural da prima S. :)

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Relacionamentos

"Sempre acho que namoro, casamento, romance, tem começo, meio e fim. Como tudo na vida.
Detesto quando escuto aquela conversa:
- Ah, terminei o namoro...
- Nossa, estavam juntos há tanto tempo...
- Cinco anos.... que pena... acabou...
- é... não deu certo...
Claro que deu! Deu certo durante cinco anos, só que acabou. E o bom da vida, é que você pode ter vários amores.
Não acredito em pessoas que se complementam. Acredito em pessoas que se somam.
Às vezes você não consegue nem dar cem por cento de você para você mesmo, como cobrar cem por cento do outro?
E não temos essa coisa completa.
Às vezes ela é fiel, mas é devagar na cama.
Às vezes ele é carinhoso, mas não é fiel.
Às vezes ele é atencioso, mas não é trabalhador.
Às vezes ela é muito bonita, mas não é sensível.
Tudo junto, não vamos encontrar.
Perceba qual o aspecto mais importante para você e invista nele.
Acho que o beijo é importante... e se o beijo bate... se joga... se não bate... mais um Martini, por favor... e vá dar uma volta.
Se ele ou ela não te quer mais, não force a barra. O outro tem o direito de não te querer.
Não brigue, não ligue, não dê pití. Se a pessoa tá com dúvidas, problema dela, cabe a você esperar... ou não.
Existe gente que precisa da ausência para querer a presença.
O ser humano não é absoluto.
Ele titubeia, tem dúvidas e medos, mas se a pessoa REALMENTE gostar, ela volta. Nada de drama.
Que graça tem alguém do seu lado sob pressão?
O legal é alguém que está com você, só por você. E vice-versa. Não fique com alguém por pena. Ou por medo da solidão. Nascemos sós. Morremos sós.
Nosso pensamento é nosso, não é compartilhado. E quando você acorda, a primeira impressão é sempre sua, seu olhar, seu pensamento.
Tem gente que pula de um romance para o outro. Que medo é este de se ver só, na sua própria companhia?
Gostar dói. Muitas vezes você vai sentir raiva, ciúmes, ódio, frustração... Faz parte. Você convive com outro ser, um outro mundo, um outro universo.
E nem sempre as coisas são como você gostaria que fosse... A pior coisa é gente que tem medo de se envolver.
Se alguém vier com este papo, corra, afinal você não é terapeuta. Se não quer se envolver, namore uma planta. É mais previsível.
Na vida e no amor, não temos garantias.
Nem toda pessoa que te convida para sair é para casar. Nem todo beijo é para romancear.
E nem todo sexo bom é para descartar... ou se apaixonar... ou se culpar...
Enfim...quem disse que ser adulto é fácil ????"

Arnaldo Jabor



 
 (encontrei no mural de um amigo e sorri!)

domingo, 18 de setembro de 2011

Hereafter (Uma outra vida): uma reflexão sobre a dicotomia Vida/Morte

Ora bem, andava há meses para ver este filme. Por duas razões: primeiro, porque a questão da vida após a morte é um mistério que acho que fascina a maioria das pessoas, eu incluída. Segundo porque sendo o realizador o Clint Eastwood, achei que não ia ser um filmezeco qualquer.

Finalmente consegui! Arrumando já com uma nota mais negativa, pensei que o fim fosse ser mais forte, confesso que estava à espera (não de respostas) mas assim de algo com mais impacto. 

Mas gostei da maneira como foi embrulhada a última parte do filme- suave, delicada e fez-me sorrir. No geral, gostei muito do filme e quanto às interpretações: excelentes!

Gosto dos filmes que mostrem as ironias da vida...ironias nem sempre alegres...a morte do irmão mais corajoso, um dom que se transforma em maldição... e como uma experiência quase-morte faz alguém ver os seus pilares ruírem para depois renascer.

Quanto à experiência de quase-morte... tanta gente já a sentiu...tanta gente já esteve do lado de lá...mas o facto é que continua a ser um mistério enorme. 
Um dos personagens do filme achava que a morte dava lugar a um cenário escuro, vazio, a um fim de tudo basicamente. Não concordo. Não sei o que encontraremos depois...mas a nossa alma, a nossa energia...algo terá de perdurar. Se era bom saber o que há depois? Talvez fosse...mas se calhar isso destruia um pouco a força da vida presente! 

E sabem que mais? Haja o que houver...aproveitem mas é o AGORA. Cuidem de si próprios. Acreditem. E sigam os sinais do destino...foi o que as personagens  do filme fizeram! 

Mikashi

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Eu já fiz a minha escolha :)

"There comes a time in your life, when you walk away from all the drama and people who create it. You surround yourself with people who make you laugh. Forget the bad, and focus on the good. Love the people who treat you right, pray for the ones who don't. Life is too short to be anything but happy. Falling down is a part of life, getting back up is living. ...Being alive is a gift, living life happy is a choice... :)"
(retirado de um mural no facebook...)

terça-feira, 13 de setembro de 2011

Barquinho de papel


a noite já está cerrada...por hoje chega de remar...pouso os remos...encosto-me nesse meu barquinho feito à minha medida e olho as estrelas desenhadas à mão no meu céu dos sonhos...

Inspiro suavemente e fecho os olhos...o ondular da maré embala-me num torpor que me conduz até a um sono bom...

nesse meu barquinho de papel descanso por hoje...quando os primeiros raios de Sol raiarem, irei sentir a magia de um novo dia a tomar alturas no Universo que me abraça, de cada vez que os remos tocam as águas...

Mikashi

domingo, 11 de setembro de 2011

A música que me acompanhou neste fim-de-semana...



"Um deste dias vou poder
apaixonar-me outra vez
sem me importar de saber
se vai durar um ano ou um mês (...)

(...) Um destes dias vou ser capaz
de encontrar a felicidade
avançar em marcha atrás
ir de verdade em verdade"

sábado, 10 de setembro de 2011

Por 10 anos que passaram - 9/11 e por um Mundo em Paz




Por todos aqueles que morreram naquele dia...e por todos aqueles que morrem todos os dias pelas mãos do Ódio, da Vingança, da Ambição, do Fundamentalismo a todas escalas...

Que a Paz e a Esperança nunca deixem de brilhar nos olhos daqueles que não deixaram de acreditar (como eu) num Mundo melhor! Mikashi
------------------------------------------------------------------------
"That was my brother lost in the rubble
That was my sister lost in the crush
That was our mothers, those were our children
That was our fathers, that was each one of us
A million prayers to God above
A million tears make an ocean of
Chorus:
One for love
One for truth
One for me, one for you
I found spirit, they couldn't ruin it
I found courage in the smoke and dust
I found faith in the songs you silenced
Deep down it's ringing out in each of us

Yeah... yeah, yeah, yeah, yeah
Chorus:
One for love
One for truth
One for me, one for you
Where we once were divided, now we stand united
We stand as one... undivided.
How many hands? How many hearts?
How many dreams been torn apart?
Enough, enough... the time has come to rise back...
"



Como se esquece? Devagar. É preciso esquecer devagar... (MEC)

"Se uma pessoa tenta esquecer-se de repente, a outra pode ficar-lhe para sempre. Podem pôr-se processos e acções de despejo a quem se tem no coração, fazer os maiores escarcéus, entrar nas maiores peixeiradas, mas não se podem despejar de repente. Elas não saem de lá. Estúpidas! É preciso aguentar. Já ninguém está para isso, mas é preciso aguentar. A primeira parte de qualquer cura é aceitar-se que se está doente. É preciso paciência. O pior é que vivemos tempos imediatos em que já ninguém aguenta nada. Ninguém aguenta a dor. De cabeça ou do coração. Ninguém aguenta estar triste. Ninguém aguenta estar sozinho. Tomam-se conselhos e comprimidos. Procuram-se escapes e alternativas. Mas a tristeza só há-de passar entristecendo-se. Não se pode esquecer alguem antes de terminar de lembrá-lo. Quem procura evitar o luto, prolonga-o no tempo e desonra-o na alma. A saudade é uma dor que pode passar depois de devidamente doída, devidamente honrada. É uma dor que é preciso aceitar, primeiro, aceitar.

É preciso aceitar esta mágoa esta moinha, que nos despedaça o coração e que nos mói mesmo e que nos dá cabo do juízo. É preciso aceitar o amor e a morte, a separação e a tristeza, a falta de lógica, a falta de justiça, a falta de solução. Quantos problemas do mundo seriam menos pesados se tivessem apenas o peso que têm em si , isto é, se os livrássemos da carga que lhes damos, aceitando que não têm solução.
Não adianta fugir com o rabo à seringa. Muitas vezes nem há seringa. Nem injecção. Nem remédio. Nem conhecimento certo da doença de que se padece. Muitas vezes só existe a agulha.

Dizem-nos, para esquecer, para ocupar a cabeça, para trabalhar mais, para distrair a vista, para nos divertirmos mais, mas quanto mais conseguimos fugir, mais temos mais tarde de enfrentar. Fica tudo à nossa espera. Acumula-se-nos tudo na alma, fica tudo desarrumado.

O esquecimento não tem arte. Os momentos de esquecimento, conseguidos com grande custo, com comprimidos e amigos e livros e copos, pagam-se depois em condoídas lembranças a dobrar. Para esquecer é preciso deixar correr o coração, de lembrança em lembrança, na esperança de ele se cansar."

Miguel Esteves Cardoso, in 'Último Volume'

terça-feira, 6 de setembro de 2011

domingo, 4 de setembro de 2011

Assim é o Amor... (Salvador Dali)


Fiquei fascinada por este quadro.... é simplesmente magnífico... 
(Obrigada à Elisabete Gonçalves que mo deu a conhecer...)

Mikashi

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

um poema de uma amiga - Heloísa Schüler Lange - que me tocou...

"Voltando ao campo florido
para colher margaridas
e cantar cantigas
andei pelo breu
achei não conhecer mais meu eu

Porém aprendo sempre
que, todos, um dia são feridos
e os cortes que causam dor
são, muitos, a nosso favor
cortes que nos salvam
são iluminados de amor..."
Heloísa Schüler Lange
(obrigada por me deixares colocar no meu cantinho...)