segunda-feira, 13 de agosto de 2018

Jardim da Vida

É maravilhosa a sensação de respirar ar puro da alma, quando nos dedicamos ao nosso jardim interior. Tão descuidado, desleixado e abandonado tantas e tantas vezes. Dá trabalho cuidar deste jardim. Encontramos umas teias de aranhas, uns animais esquisitos que fizeram ninho onde não deviam e com aspecto que mordem. Picamo-nos nos espinhos das dúvidas, as urtigas dos medos fazem comichão e ainda corremos o risco de encontrar umas flores carnívoras que apareceram sabe-se lá de onde. Mas quando regamos com água-de-amor e adubamos com compostos naturais de verdade e coragem, vemos um paraíso a surgir do meio dos fetos gigantes que vivem nas nossas sombras. Da minha parte prefiro cultivar as flores campestres, mais sinceras, resistentes e verdadeiras. Dispenso as flores de estufa que morrem ao primeiro golpe de ar. As exóticas, cada um que cuide das suas. Elas sobrevivem nos seus terrenos originais e sucumbem se forem transplantadas, porque não é o habitat delas. Gosto de árvores da Vida também. Que criam raízes fortes e se elevam aos céus. E falam connosco, de tempos idos e de tempos por vir. Que só morrem se incendiarmos as nossas alegrias e esperanças. Tenho muito a aprender ainda sobre jardinagem. Mas desde que comecei...apaixonei-me por este meu jardim. Tão Meu. Carolina

quinta-feira, 9 de agosto de 2018

Mapa do Tesouro

Cada um de nós é um mapa. Mapa de um tesouro que se chama essência. Quanto sentimos que a essência do Outro nos cativa, temos que respeitar os sinais traçados no mapa, saber ler enigmas que muitas vezes não se traduzem em palavras e reconhecer caminhos já antes percorridos. Devemos estar preparados para labirintos sem saída, precipícios inesperados e quedas de água abruptas. Mas também podemos ser surpreendidos com campos verdejantes de tranquilidade, fogueiras ao anoitecer, o pôr-do-sol em silêncio e um oceano que nos apetece navegar. Basta saber que cada mapa é único e deixar-nos guiar pelas estrelas que ligam os céus da nossa Vida. E chegaremos a bom Porto. Onde sabemos que estamos em casa. Carolina

terça-feira, 7 de agosto de 2018

A felicidade dá trabalho

A felicidade dá trabalho, dá sim, já li em alguns outros textos e não podia concordar mais. Às vezes acho que não somos mais felizes, por uma questão de preguiça e comodismo. E esse trabalho é connosco mesmo. É acreditar a cada manhã, que apesar das patetices do dia anterior, hoje vamos conseguir ser emocionalmente inteligentes, é arrumar sem raiva os pensamentos negativos que atravessam a mente qual melgas à procura de sangue. É a cada noite ter a certeza que se tentou um pouco mais fazer aquilo que o nosso espírito nos sussurra. E não aquilo que é mais conveniente ou para aprovação. É não esquecer a meio do dia de dar uma forcinha a nós próprios, tipo Ei, não está tudo a correr tão bem, mas vamos lá, a tua força é imensa. Se não fizermos nada disto, somos atropelados por uma manada de bisontes que são as nossas desilusões. Por isso há que levantar e andar, para além do horizonte e se for preciso caminhar até ao fim do mundo que conhecemos. E ter a certeza que a felicidade está é nesses passos. Esmorecer é fácil, basta encostarmo-nos a um canto e deixar as horas passar. O difícil mas que dá cá uma genica, é levantar e continuar. Over and over again. Por isso vamos trabalhar. Sem preguiça. Porque merecemos ser felizes. A cada momento. Carolina

domingo, 5 de agosto de 2018

Águas de Vida

A vida é como a água do mar...Temos receio que esteja fria, e vamos metendo o pé a medo. Arrepiamo-nos e dá-nos vontade de voltar a correr para a toalha. Para a areia firme. Mas pensamos, oh mas vir à praia e não ir à água é um desperdício. E metemos o outro pé. Se vemos uma zona calma, ganhamos mais confiança e vamos entrando lentamente. Confortados também pelos outros que brincam alegramente na maré baixa. Mesmo assim há que ter cuidado com os declives súbitos. É preciso manter o foco, e estar preparado. Saber recuar quando necessário e passar a rebentação quando a maré começa a subir. Claro que há dias em que todos os sinais nos mandam ter calma, e isso faz parte do caminho da vida também. A atenção ao perigo. Mas há sempre alturas em que vale a pena ir um pouco mais longe. Deixar a margem e a terra segura. E nadar juntamente com os nossos sonhos :) e quem sabe atrever a mergulhar na Vida que espera por nós :) Carolina

domingo, 22 de julho de 2018

6 anos de Sabor Latino

E ontem foi o dia de mais um espectáculo do Sabor Latino... aquele dia especial que muitos sabem como é sentido...a cada minuto da música ;)
Marca também uma data inesquecível para mim. Faz 6 anos que entrei pela porta da escola que mudou a minha Vida. Serei sempre grata por esse momento.
Aprendi tanta coisa, que não há limites, que tudo é possivel, que há pessoas muito especiais e amigos fantásticos. Guardo memórias incríveis, de felicidade pura.
Nestes 6 anos tive ilusões
, desamores, lições de Vida e demonstrações do que é ser AMIGO.
Este ano fiz um Reset em vários aspectos da minha Vida. Custou. Mas valeu a pena.
Porque ontem graças a pessoas maravilhosas com quem partilhei o dia de ontem, algo renasceu em Mim. Porque a dança mora na minha essência. No meu sorriso. No meu abraço.
Pela 1a vez emocionei-me numa coreografia. Aquele acorde final... tocou directo na alma.
Acho que fiz um Tourner la page :) cá dentro, com a cereja numa bachata bem especial :)
E adorei ter dançado descalça ou de sapatos rasos..bem terra a terra... e deixo a memória das minhas primeiras sapatilhas que nunca larguei...elas sabem o que os meus pés sentiram durante estes 6 anos.
Gratidão a esta escola das emoções e a todas as luzinhas lindas que me permitiram crescer e sorrir para vocês, porque mesmo nos gestos mais simples pode haver tanta Vida. E que siga a dança da Vida. Carolina

sábado, 21 de julho de 2018

O dia da Dança

E hoje é mais um daqueles dias :) que são especiais. Duas vezes por ano a adrenalina sobe, as unhas tornam-se vermelhas, os holofotes acendem e os acordes transformam-se em passos de dança. Como sempre, o melhor são as pessoas. Os professores magníficos e os meus colegas fantásticos. Amizades de sempre, amizades novas, interajuda, gargalhadas, foco. Ausências que fazem parte. Sentir como é bom reencontrar pessoas que já não é tão costume devido a horários diferentes e ouvir aquele: oh Carolina ao tempo. :)
Abraços antes e depois são esperados. Sorrisos o tempo todo. O nervoso miudinho que ajuda a concentrar. E a certeza que a perfeição existe: na alegria que se sente :) divirtam-se meus amigos...isso será sempre o mais importante. E que comece a dança! Carolina 

sexta-feira, 20 de julho de 2018

Dança da Vida

Deixemos a dança da Vida fluir....de facto...muitas vezes é preciso deixar o movimento acontecer em vez de tentar perceber qual é o músculo que é accionado a cada contagem...Se eu não gosto de contar os tempos enquanto danço, mas sim sentir a música...talvez valha a pena fazer o mesmo com a Vida...Sentir a Vida! Carolina